A dança / by Rita Pinheiro

A passear pelo jardim da várzea pequena e por acaso a comentar que nunca mais tínhamos visto o Alberto. Quando olhámos para a água vemos emergir um "periscópio com bico". Um pato não parecia ser, porque embora com o pescoço fora de água o corpo continuava completamente submerso. Aí começa a nossa perseguição pela margem do rio, do mouchão quase até à ponte. A ave permanecia à superfície pouquíssimos segundo depois dava mergulhos não muito longos mas em que percorria uma grande distância, ou seja super rápido; e nós atrás dele.

Quando chega perto da ponte vejo-o(a) aproximar-se de um outro igual. Felizmente para meu grande contentamento saem da água e vão secar as penas. A Ave que nós acompanhámos ficou mais longe e não dava para fotografar convenientemente com esta minha máquina fracota, mas ao ver os dois juntos fiquei com a sensação que talvez fosse uma fêmea, por ser mais pequena. Este, das fotos, para secar as penas presenteou-nos com esta espécie de dança - Tão grande e ao mesmo tempo tão gracioso.

Continuo sem perceber nada sobre aves, mas tenho quase a certeza de se tratar de dois lindos corvos marinhos

(translater)